Insónias: o que são, tipos, causas, sintomas e tratamento

Ter uma boa noite de sono é, para algumas pessoas, algo normal, para outras não passa de um desejo. A verdade é dormir bem é primordial para recuperar energia e conseguir lidar com todas as tarefas do dia a dia, seja em contexto profissional, académico e até doméstico.

Além de outros benefícios, é durante o sono que o corpo “recarrega as baterias” e volta ao seu estado inicial, com a força e a disposição necessárias para enfrentar o dia. Enquanto dormimos, o nosso corpo relaxa, a pressão arterial diminui, os batimentos cardíacos desaceleram e a nossa memória armazena aquilo que é necessário.

Embora a generalidade das pessoas não tenha grandes problemas em dormir, para algumas, adormecer é uma verdadeira batalha diária. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 30% dos portugueses sofre com insónias.

Por entendermos que este é um problema, redigimos o presente artigo onde abordamos as insónias e algumas das perguntas mais frequentes, nomeadamente quais as suas causas, os seus sintomas e como lidar com este problema.

O que são as insónias?

As insónias são distúrbios relacionados com o sono

As insónias tratam-se de distúrbios relacionados com o sono. De forma simples e simplicista, as insónias podem afetar os momentos antes, durante e depois de dormir, fazendo com que tenha dificuldades em adormecer ou, mesmo adormecendo, que o sono seja tranquilo e pouco agitado.

As pessoas com insónias, ao acordarem sentem-se cansadas, com falta de energia e até com alterações no humor, precisamente o contrário do que é expetável depois de uma boa noite de sono.

Se tem passado por noites assim frequentemente, talvez seja a hora de ficar atento aos sintomas. As insónias têm tratamento, não obstante ser muitas vezes necessário tratamento e auxílio médico.

Quais os tipos de insónias?

As insónias podem ser classificadas em três tipos

As insónias podem ser classificadas em três tipos, separados de acordo com a frequência ou duração com que ocorrem:

  • Insónias intermitentes: são aquelas que não ocorrem com muita frequência, acontecendo de tempos em tempos. São esporádicas e alternam entre períodos de sono tranquilo e normal;
  • Insónias transiente: tratam-se das insónias que duram alguns dias e que se podem repetir por até três semanas;
  • Insónias crónicas: trata-se do tipo mais preocupante de insónias, dado poderem persistir por muito mais de três semanas e desregular completamente a rotina e saúde de quem deles padece.

Ainda existem outras duas classificações possíveis, que são diagnosticadas após uma avaliação da saúde do indivíduo. São elas:

  • Insónias primárias: ocorrem quando não há nenhum outro quadro de doença que possa ser causa das interferências e desajustes no sono;
  • Insónias secundárias: quando um quadro de doença pré-existente é o responsável pelo desajuste no sono e, consequentemente, pelas insónias.

Quais as causas das insónias?

As insónias podem ter vários motivos

Existem muitos motivos que podem desregular o sono e assim potenciar as causas das insónias. Entre eles, os mais comuns são aqueles ligados à nossa saúde mental, como a ansiedade, a depressão, e o stress.

Por outro lado, existem outros fatores que podem estar na origem das insónias, como por exemplo:

  • Mudanças de ambiente ou de horários;
  • Medicação;
  • Uso de estimulantes;
  • Consumo de cafeína, nicotina ou álcool;
  • Más rotinas de alimentação (fazer refeições sem horário definido);
  • Falta de regularidade para dormir;
  • Doenças e outras condições médicas;
  • Falta de exercício físico.

Determinar as causas das insónias é essencial para determinar qual o melhor tratamento e assim tratar essa condição.

Quais os fatores de risco para as insónias?

Algumas pessoas são mais propensas a sofrer de insónias

Além das causas, é importante saber que existem certo fatores que potenciam as insónias, fazendo com que algumas pessoas sejam mais propensas a ter problemas de sono. As insónias podem ser comuns nas(os):

  • Mulheres: por causa das mudanças e condições hormonais durante o ciclo menstrual e também durante a menopausa;
  • Idosos: geralmente, pessoas acima dos 60 anos de idade, sofrem de insónias devido às mudanças nos padrões do sono e de doenças que podem ocorrer com os idosos (artrite, Parkinson, Alzheimer, entre outras);
  • Grávidas: também por causa das alterações hormonais que ocorrem durante a gravidez, as mulheres podem estar ainda mais propensas às insónias durante o período gestacional;
  • Pessoas com transtornos mentais: pessoas que apresentam quadros de doenças como o transtorno de ansiedade, transtorno bipolar, stress pós-traumático e depressão estão ainda mais suscetíveis a ter insónias.

Quais os sintomas das insónias?

Embora variem de pessoas para pessoa, existem sintomas relativamente comuns

As insónias são manifestadas de maneiras diferentes em cada pessoa. Não obstante, existem sintomas relativamente comuns, como são exemplo:

  • Dificuldade para dormir;
  • Acordar várias vezes durante a noite;
  • Acordar muito cedo (antes do expetável);
  • Não conseguir descansar depois de dormir;
  • Cansaço e sonolência durante o dia;
  • Irritação, cansaço, tristeza ou ansiedade;
  • Dificuldades de concentração ou de memória;
  • Dores de cabeça;
  • Desregulação intestinal.

Quando procurar tratamento para as insónias?

Se as insónias se prolongarem por mais de três semanas, recomendamos que procure ajuda

Se mesmo num ambiente tranquilo e calmo continua a ter dificuldade em dormir ou mesmo se percebe que as suas insónias se estão a prolongar por mais de três semanas, então talvez seja importante procurar ajuda de um médico especialista.

No que concerne aos distúrbios relacionados ao sono, como as insónias, existem diferentes profissionais clínicos que o podem te ajudar: neurologistas, psicólogos, psiquiatras e até pneumologistas. Cada profissional, de acordo com a sua área de especialização poderá analisar e entender os sintomas que manifesta, indicando assim o melhor tratamento para o seu tipo de insónias.

No que às insónias diz respeito não existe uma situação “one size fits all”, ou seja, não existe uma regra que se aplique a todas as situações, diagnósticos e tratamentos. Existem inúmeras opções terapêuticas, sendo as mais frequentes, a medicação e a monitorização médica.

Dicas para combater as insónias

Existem alguns hábitos que ajudam a combater as insónias

Existem alguns hábitos que podem ser incorporados na sua rotina para que tenha noites mais agradáveis e possa resistir às insónias. Confira:

  • Crie uma rotina: se não tem horários para se deitar e para despertar, então talvez tenha chegado a hora de o fazer. Esse é um dos hábitos mais importantes para a melhora a qualidade do sono;
  • Faça exercícios físicos: a atividade física é uma ótima aliada no combate às insónias, contribuindo para melhores noites de sono;
  • Evite as sestas durante o dia: se não consegue dormir durante a noite, então o problema poderá estar nas sestas que faz durante o dia. Dormir durante o dia faz com que esteja menos cansado à noite;
  • Afaste-se dos equipamentos eletrónicos: utilizar o telemóvel, o computador e a televisão quando se deita só tornar ainda mais difícil as noites de quem já sofre de insónias. A luz emitida por este aparelhos tende a despertar o cerébro;
  • Relaxe: a meditação é uma ótima forma de fazer com que o corpo relaxe antes de dormir. Pode também ouvir uma música calma, tomar um banho relaxante e apostar em roupas confortáveis. Todas estas pequenas coisas podem-no ajudar a “acalmar”, fazendo com que adormeça com maior facilidade;
  • Invista em acessórios: se você dorme em um ambiente muito claro ou barulhento, invista em máscaras para os olhos e protetores para os ouvidos;
  • Prepare o ambiente: Mantenha o local onde vai dormir sempre limpo, arejado e, se possível, com o estore e cortinas fechadas. Quanto mais escuro estiver o quarto mais facilmente adormece;
  • Antes de dormir: evite alimentos pesados, assim como a cafeína, o álcool e a nicotina, este só aumentam a probabilidade de ter uma má noite de sono.

Notou como vários fatores podem interferir numa noite de sono? Se sofre de insónias, vale a pena rever os seus hábitos, melhorar a sua rotina e ainda assim, se os problemas persistirem, procurar a ajuda de um profissional de saúde.

Esperamos ter esclarecido as suas dúvidas quanto a insónias!

A redação do trabalhador.pt