Parassónias: o que são, tipos, causas e tratamento

Não é novidade, nem segredo que uma boa noite de sono é algo muito importante para a nossa saúde física e psicológica, bem como para o nosso desenvolvimento físico, cognitivo, comportamental e emocional.

Dormir mal ou poucas horas de sono influencia diretamente o nosso humor, contribui para o aparecimento de doenças e altera o nosso sistema imunitário.

No entanto, infelizmente, nem todos conseguem ter uma boa qualidade de sono. Algumas pessoas sofrem de distúrbios neurológicos que ocorrem durante o sono, conhecidos como parassónias.

Neste artigo, iremos abordar os principais tipos de parassónias, as suas causas e como tratá-las. Acompanhe!

O que são parassónias?

Alguma vez falou enquanto dormia ou acordou confuso, desorientado sem saber se estava a sonhar ou se já estava acordado? Estes são apenas alguns dos principais sintomas das parassónias.

As parassónias são eventos físicos ou sensações não desejáveis que ocorrem durante o sono, nas fases REM, NREM ou nas transições entre o sono-vigília e o despertar. As parassónias podem ocorrer por diferentes causas, nomeadamente stress, ansiedade e até o uso de alguns medicamentos.

Quais os tipos de parassónias?

Existem inúmeras parassónias, todavia, as mais comuns são:

Em seguida, abordaremos cada uma destas parassónias de forma mais pormenorizada:

1. Despertares confusionais

Neste tipo de parassónia, o indivíduo acorda confuso, desorientado, cansado e com excesso de transpiração. Este distúrbio consiste em movimentos bruscos, gemidos e até choro ao despertar do sono. Ocorre na primeira metade da noite, podendo durar entre 5 a 15 minutos. Na grande maioria dos casos, a pessoa desperta mas permanece deitada na cama, voltando depois a adormecer. Os despertares confusionais são mais comuns em bebés, crianças e adolescentes.

2. Sonambulismo

Trata-se de uma das parassónias mais conhecidas ocorrendo, geralmente, poucas horas depois que a pessoa adormece (fase NREM ou fase de ondas lentas). Trata-se de um despertar desequilibrado do cérebro durante o sono profundo, caracterizado por movimentos e/ou comportamentos involuntários durante o sono, como levantar-se, andar pela casa, falar palavras sem nexo ou, até mesmo, realizar atividades complexas.

Sem causa definida, o sonambulismo pode estar associado a fatores psicológicos, genéticos, podendo ainda ser uma consequência do uso de alguns medicamentos.

3. Enurese noturna

A enurese noturna caracteriza-se pela perda involuntária de urina durante a noite. Pode ocorrer de uma a duas vezes por semana e está associada a fatores como o stress, a hiperatividade, a esquizofrenia, atrasos no crescimento ou a diabetes.

Esta parassónia afeta principalmente crianças pequenas, podendo ocorrer, em alguns casos, em crianças com mais de 3 anos de idade.

Para um bom diagnóstico é necessário que a criança seja avaliada por um pediatra, além da realização de exames como, ultrassonografia da bexiga, exame de urina e um exame urodinâmico (exame urológico que avalia o comportamento/funcionamento da bexiga). O tratamento é feito com o acompanhamento de um psicólogo.

4. Terrores noturnos

Os terrores noturnos são parassónias que se caracterizam por um episódio de pânico durante o sono, podendo ocorrer mais de uma vez durante a mesma noite. Regra geral, o indivíduo acorda, grita, chora e apresenta sinais de taquicardia, respiração ofegante e transpiração excessiva. A ocorrência é mais frequente em crianças dos 4 aos 12 anos, podendo também afetar adultos. Regra geral, o terror noturno ocorre nas primeiras horas de sono, podendo acontecer semanalmente ou de 10 a 15 dias.

5. Paralisia do sono

Consiste na incapacidade de realizar movimentos durante o sono ou no despertar. Neste distúrbio, o indivíduo fica impedido de realizar movimentos, conseguindo apenas mover os olhos. A mente continua acordada, porém a pessoa não se consegue mover, causando momentos de sofrimento, angústia e medo.

Esta parassónia ocorre devido a um problema de comunicação entre o cérebro e o corpo durante o sono. Quando estamos a dormir, nosso cérebro faz com que todos os músculos do corpo relaxem, mantendo-os imóveis para que possam conservar e renovar energia e evitar movimentos durante os sonhos e pesadelos. No entanto, quando ocorre esta falta de comunicação entre o cérebro e o corpo, o indivíduo pode passar alguns segundos paralisado, com a mente já desperta.

Durante o episódio de paralisia do sono é possível ocorrer o surgimento de alucinações ou visões, como por exemplo, sentir a presença de alguém ao lado ou ouvir sons estranhos. Geralmente, a paralisia do sono afeta adultos e adolescentes, sendo menos comum durante a infância.

6. Bruxismo

Trata-se de uma das parassónias mais comuns. O bruxismo é um ato inconsciente e involuntário de apertar, ranger os dentes, levando-os ao desgaste, causando dores nas articulações da mandíbula, cansaço ao acordar e dor de cabeça.

Este tipo de parassónia pode ser causado por problemas respiratórios como ronco, apneia do sono ou por fatores psicológicos como o stress ou a ansiedade. Podem estar associadas outras causas, nomeadamente fatores genéticos, excesso de cafeína, consumo de álcool, tabaco ou o uso de drogas.

O bruxismo não tem cura e o tratamento tem o intuito de aliviar os sintomas e problemas causados por esse tipo de parassónia. É importante conhecer a sua causa para que o tratamento seja realizado de forma correta e eficaz.

Na maioria das vezes, o indivíduo inicia o tratamento com a utilização de uma placa de proteção dentária enquanto dorme- Em casos de muito desconforto, pode-se administrar relaxantes musculares ou benzodiazepinas, por um período curto de tempo. Vale ressaltar que o bruxismo geralmente afeta adultos e crianças e que, quanto mais cedo for tratado, maiores são as probabilidades de um tratamento eficaz.

7. Pesadelos

Os pesadelos são sonhos perturbadores que causam medo, angústia e são desencadeados pelo stress, ansiedade, privação do sono e até por alguns medicamentos. São comuns em crianças, adolescentes e em adultos, sendo uma das parassónias mais comuns.

Ter pesadelos algumas vezes é considerado normal, não sendo um motivo de preocupação. No entanto, se estes episódios ocorrerem com muita frequência, causando preocupações ao dormir, cansaço e uma má qualidade do sono, é hora de começar a pensar num tratamento eficaz.

A psicoterapia pode ser uma boa opção para o tratamento desta parassónia, podendo incluir terapia comportamental, hipnose e terapia do sonho.

8. Sonilóquio

Algumas pessoas acreditam que falar durante o sono é uma consequência dos sonhos que temos durante a noite. No entanto, não existem estudos que relacionem este distúrbio com os sonhos, uma vez que o sonilóquio pode ocorrer em outros estágios e não somente no estágio REM (quando acontecem os sonhos).

O sonilóquio é um distúrbio que se caracteriza pelo ato de falar durante o sono, podendo ocorrer durante o período do sono REM e também no sono NREM (fase de ondas lentas). É considerado um distúrbio muito comum, atingindo uma em cada dez crianças.

Os episódios desta parassónia podem ocorrer todas as noites ou de forma esporádica. Assim como o sonambulismo, o sonilóquio é detetado por pessoas que convivem com o indivíduo.

Quais as causas das parassónias?

As causas das parassónias são variadas, mas todas têm em comum o facto de ocorrerem durante o sono. É importante observar a idade do paciente, uma vez que os distúrbios do despertar confusional e a enurese noturna são comuns em crianças.

Quase todas as parassónias estão ligadas a fatores psicológicos (stress, ansiedade e medo), outras mostram uma origem genética (histórico familiar).

O diagnóstico depende principalmente de observações obtidas pelo paciente ou por pessoas que convivem com o indivíduo afetado pelas parassónias.

Como é o tratamento das parassónias?

Ter um sono reparador é fundamental para a nossa saúde física e mental. O sono repõe as energias, consolida a memória e libera hormonas responsáveis por importantes funções no corpo.

Em suma, a qualidade e a saúde do sono interfere diretamente no nosso desenvolvimento biológico, social e emocional. Portanto, é muito importante que as parassónias / distúrbios do sono sejam diagnosticados e tratados para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

O tratamento deve ser específico para cada tipo de parassónia. Na maioria das vezes, o distúrbio deve ser avaliado por um neurologista, psiquiatra ou médico do sono, que irá tratar as parassónias através de terapias cognitivas, modificação do ambiente do sono e o uso de medicamentos que aliviem os sintomas.

A redação do trabalhador.pt